Payday loanspayday loans
chapeu_educacao
Selecione um item abaixo para ver os textos.

Educação - Estudos e indicadores sobre educação

Participação na escola e na vida: aprendendo a perguntar

Raquel Freitas

12/05/2017

Muitos alunos e alunas já aprenderam que as respostas que precisam para suas atividades escolares estão a um clique, nos sites de busca. O que muitos ainda não perceberam é que os computadores são bons em responder perguntas, mas não são capazes de formular perguntas instigantes, que provoquem a criatividade, agucem a imaginação e contribuam para uma compreensão mais ampla do mundo à sua volta. Sem boas indagações, o processo de aprendizagem fica limitado. E apenas responsabilizar os alunos e alunas pela ausência de questionamentos não leva a nada.

O jornalista americano Warren Berger, autor do livro “A Pergunta Mais Bonita” (A More Beautiful Question), diz que entre os dois e cinco anos de idade as crianças fazem em torno de 40 mil perguntas, mas quando chegam à escola param de perguntar.

Por quê isto ocorre? O autor elenca algumas razões:

- Tempo: Com um currículo bastante apertado, os professores não conseguem abrir espaço para os alunos fazerem suas perguntas. E boas perguntas normalmente levam tempo para serem elaboradas.

- Conhecimento: O fato de os alunos já terem conhecimento sobre certos temas diminui sua curiosidade.

- Barreiras sociais: Muitos alunos não se sentem à vontade para fazer perguntas por medo de serem taxados como puxa-sacos ou nerds.

- Insegurança: Muitos têm medo de expor seu desconhecimento e ignorância sobre determinado assunto.

Fortalecer os alunos para que eles se sintam à vontade para fazer perguntas é um desafio para pais e professores. Segundo Berger, um dos principais caminhos para os adultos promoverem o questionamento por parte de crianças e adolescentes é demonstrar curiosidade e valorizar as perguntas deles.

Saber questionar é uma habilidade muito valorizada, destaca Berger. As empresas estão à procura de pessoas que saibam fazer boas perguntas, que abram caminhos para a resolução de problemas importantes e que contribuam para a descoberta de novas soluções. Uma educação que valorize a habilidade de perguntar também contribuirá para a formação de cidadãos mais capazes de fazer perguntas relevantes sobre a qualidade das políticas públicas e o desenvolvimento de sociedades mais sustentáveis.

O livro incentiva professores a propor atividades cujo objetivo principal seja a formulação de perguntas. Por exemplo, a formação de pequenos grupos de discussão sobre temas de interesse dos alunos, nos quais se desenvolva um modo de convivência em que os alunos superem eventuais receios e se sintam confiantes para indagar. Berger salienta que “fazer perguntas importa porque perguntas abrem espaço para o diálogo no lugar de fechar as portas e as relações”.

Acesse aqui matéria sobre as ideias de Warren Berger

 

 

 

 

 

b_conheca
capa_telefonica

Trabalho infantil: caminhos para
reconhecer, agir e proteger
crianças e adolescentes

Elaborado pela Prattein e publicado pela Fundação Telefónica
Elaborado pela Prattein e publicado
pela Fundação Telefónica

Boletim Prattein

Cadastre-se nos campos abaixo. Você receberá informações relevantes sobre políticas públicas para o desenvolvimento social, a medida que estas forem sistematizadas por nossa equipe.

Pesquisa no site

Digite o nome ou palavra chave no campo abaixo para pesquisar. O termo pesquisado deve ter no mínimo 3 caracteres.
b_emp5